Scyphozoa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Água-viva)
Ir para: navegação, pesquisa
Água-viva
Momento que uma água-viva ataca um humano
Momento que uma água-viva ataca um humano
Classificação científica
Reino: Animais
Filo: Cínicos
Classe: Sefudeuezoa

Cquote1.png Água que queima? Deve ser aguardente então!!! Cquote2.png
Lula sobre Scyphozoa
Cquote1.png No meu tempo isso era uma benção! Cquote2.png
Jesus sobre Scyphozoa

Scyphozoa é a classe dos animais bizarros comumente chamados de águas-viva verdadeiras, ou do inglês, Jellyfish (peixe-geleia), que são celenterados degenerados que vivem no mar. São seres extremamente agressivas e perigosas podendo atingir tamanhos de até dez metros de comprimento sem mencionar seus tentáculos sadomasoquistas que podem atingir mais de 15 metros de comprimento. Imagine estar nadando muito feliz numa praia de Tuvalu quando alguns desses animais surgem e simplesmente te estrangulam com seus tentáculos no seu pescoço. Isso seria algo realmente monstruoso. São animais compostos em 9000% por água. Como consequência dessa capacidade de armazenamento, as águas-vivas foram por muito tempo comumente e poeticamente referidas como o "camelo-do-mar". Mas esse nome caiu em desuso em algum momento depois da década de 1820.

Suas armas são diversas, algumas espécies podem passar correntes elétricas através de seus tentáculos, mas na maioria das vezes possuem é um veneno altamente paralisante, sendo ele os principais propagadores da Síndrome de Irukandji. Se você já viu alguma dessas na praia, nem pense em abraçá-la.

Apesar da alta letalidade, possuem grande importância biológica para a fauna marinha pois comem espécimes pequenos como micróbios advindos dos esgotos e são comidos por peixes, sereias, crocodilos e tubarões, equilibrando a cadeia alimentar do oceano. Se não são comidos, tornam-se gigantes e depois comem peixes, sereias, crocodilos e tubarões.

Anatomia[editar]

A principal caraterística das águas-vivas é serem absolutamente desprovidas de moral e queimarem qualquer pessoa ao toque, não importando a índole da sua vítima, ela queimará qualquer um, o que as fazem muito perigosas. A sua ausência de cérebro confere ao animal uma frieza absoluta e irredutível o que o torna um dos animais mais insensíveis do oceano.

O que mais chama atenção nesse seres, todavia, sem dúvida são seus tentáculos molengas e carregados de seu veneno. Mais do que uma simples morte lenda e dolorosa, eles também garantem uma das mortes mais vergonhosas e embaraçosas, afinal como explicar para sua que você foi picado por um invertebrado insensível?

Veneno[editar]

Todos os anos muitas pessoas são vítimas de queimaduras causadas por águas-vivas, em casos mais extremos é necessária a amputação dos membros feridos.

As águas-vivas são conhecidas por seu veneno, sendo a espécie mais mortal delas a famigerada caravela-portuguesa, muito comum em praias da Baixada Santista, espalhadas com o intuito de aterrorizarem os turistas de baixa renda da Praia Grande e outros balneários para gente pobre e sem estilo. Sempre que uma dessas surge na praia as pessoas ficam desesperadas.

Muitos antídotos existem para as queimaduras de água vida, especialmente a urina. Recomenda-se urinar na água do mar ou na queimadura assim que perceber a aproximação desses seres malignos, pois assim elas iram fugir. Contudo, não avise para os amigos que você fez isso, eles não vão entender sua vontade de proteger os banhistas.

Gastronomia[editar]

Muito apreciadas em diversas culinárias, as águas-vivam possuem um suave sabor de bebê morto. O que é explicado pelo fato de que as células de água-viva ainda permanecem ativas mesmo após a morte do ser, então uma vez dentro da boca de um humano estas células imediatamente matam as papilas gustativas, o que gera essa sensação de sabor.

Muitos anos se passaram antes que alguém sugerisse fazer uso comercial da água-viva. Então, durante a Guerra do Paraguai, oficiais brasileiros desesperados por suprimentos começaram a pedir água-viva enlatada para assar em seu churrasco e assim alimentar suas tropas, pois nenhuma outra fonte de alimento estava tão prontamente disponível naquelas pampas onde só havia capim. Embora muitas vezes se acredite que Duque de Caxias tenha morrido de velhice crônica, a história verdadeira é que ele se engasgou com um pedaço de tentáculo de água-viva e pediu a seus homens que o matassem para matá-lo. Esse incidente levou à proibição de água-viva enlatada nas forças armadas do Brasil e também à proibição de qualquer referência histórica ou menção à água-vivas no contexto da Guerra do Paraguai.

Taxonomia[editar]