Desnotícias:Bélgica sente falta de um adversário pipoqueiro e termina eliminada pela França

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

FIFA WORLD CUP 2018.png Esta desnotícia é parte do projeto DesCopa Russia. Na Rússia, a Copa se informa sobre VOCÊ!

SÃO LOURENÇO DA RÚSSIA, Ruskia - Estádio Kremadinho

Cquote1.png mbappé conseguiria fazer uns arrastão top na praia hein Cquote2.png
Cocielo sobre velocidade do principal atacante negro francês
Cquote1.png Está aí Matuidi, autor do gol Cquote2.png
Galvão Bueno, descreditando o gol de Umtiti pela terceira vez
Cquote1.png E o Brasil [...] / [...] enquanto que no jogo do Brasil, a Bélgica [...] / O Brasil deveria ter feito isso. Cquote2.png
Galvão Bueno, Casa Grande e Senzala Arnaldo, ainda mastigando o jogo da última sexta-feira

Não foi por falta de tentativas (primeiro tomou 2 gols da Tunísia, depois tomou dois gols do Japão, depois tomou gol até do Renato Augusto) que a Bélgica finalmente atingiu o seu objetivo de morrer na praia numa Copa do Mundo e continuar sendo apenas uma seleção superestimada que no final das contas não consegue ser campeã de nada. A França executou bem o seu papel, de apenas jogar um futebol normal, que é mais do que o suficiente para eliminar uma Bélgica da vida.

Primeiro tempo[editar]

Para um primeiro tempo que terminou num 0x0, o jogo começou tão "estudado" (eufemismo para "os dois times estão cagando de medo de tomarem gols, e preferem não atacar") que a primeira falta só foi marcada aos 16 minutos de jogo, tamanho o medo dos adversários de se encostarem. A Bélgica ficava ali, dando toques de um lado pro outro, achando que ainda estava jogando contra o Brasil e que um gol contra surgiria do nada, enquanto a França apostava nas suas jogadas com bicudas pra frente e na confiança de que Mbappé iria correr com bola e tudo pra dentro do gol.

Como o jogo estava tendo tudo para ser incrivelmente sem graça, o juiz decidiu ajudar o espetáculo ao ficar 40 minutos sem marcar faltas e deixando a porrada e a bola rolar pro jogo pelo menos acontecer. A Bélgica tinha boas chances, sempre explorando falhas dos franceses e as "esfomiagens" do Hazard que tentava resolver tudo sozinho, enquanto a França retribuía criando também suas boas chances, sempre com Grísma, Cantê e Matuidi correndo feito loucos, como se estivessem nos 100 metros rasos e não no futebol. Foram várias chances desperdiçadas na cara do gol em ambos os lados, comprovando que os franceses só venceriam na base da insistência mesmo.

Na altura do meio do primeiro tempo, numa dessas corridas malucas até o ataque, Cantê protagonizou uma cena no mínimo estranha, quando resolveu partir sozinho com a bola da defesa até o ataque, coisa que nenhum dos superestimados fizeram até pegar o voo fretado da volta. Nem Messi, nem Neymar, nem Cristiano, nem Ronaldo tinham feito na Copa o que aquele zagueiro francês fez. Apesar do esforço, Cantê parecia uma criança de 5 anos brincando em meio aos adultos, e assim que foi chegando na área, foi logo perdendo a bola, pois apesar do queijo suíço que era a defesa belga, nenhum francês quis ser uma opção de passe.

Segundo tempo[editar]

Quando você ouve sua mãe chegando em casa e você não lavou a louça como ela mandou.

Como a Bélgica não fez 2 gols em 30 minutos, assim como fizeram em cima de um timeco asiático e outro sul-americano, coube ao francês Matuidi Umtiti fazer o gol de cabeça após cobrança de escanteio e definir a partida.

Uma vez atrás no placar, a Bélgica voltou às suas tradições, que é de estar perdendo e não saber o que fazer para reverter a desvantagem no placar, passando a jogar no desespero, com Lukaku dando caneladas na bola e Hazard tentando resolver sozinho toda vez que pegava na bola.

Ficou claro que a seleção da Bélgica sentiu a ausência de Fernandinho em campo, para fazer um gol contra providencial e errar passes de 2 metros. Faltou também uma dupla de zaga, formada por Yoshida e Shoji (ao invés de um Varane que cortava todas bolas alçadas). O único desfalque que não foi sentido pelos belgas foi a ausência de Gabriel Jesus, que foi devidamente substituído por Giroud; ele continua sem fazer gols, mas aparentemente deve ser taticamente perfeito sem a bola (ou não).

Nos 10 minutos finais, foi hora de começar a fazer a velha cera e catimba, com Matuidi simulando cólicas e Mbappé prendendo a bola. Os belgas não sabiam como lidar com um time que não queria mais jogar futebol, e assim acabaram eliminados.


Fontes[editar]