Seleção de Futebol da Cidade do Vaticano

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Macarraopre.jpg PORCA MISÉRIA!!

Questo articolo è 100% made in Italia ed è sotto il controllo di Cosa Nostra! Perciò sta' bene attento a dove metti le tue manacce zozze o i nostri amici verranno a casa tua per spezzarti le gambine!

Lá vem a equipe do Vaticano

A Seleção de Futebol da Cidade do Vaticano é a representação futebolística do Vaticano. Os jogadores são chamados de "futebolistas de Cristo". Nunca disputou uma Copa do Mundo, mas chegou bem perto disso.

Surgimento[editar]

O cardeal Giovanni Sensini criou a Confederatio Vaticanatio Futebolatio em 1936. A primeira seleção do Vaticano foi formada em 1968 pelo cardeal e centro-avante Michele Cabazione. Apesar do nome, Michele era um cardeal cabra ome e queria provar em campo isso. Formou uma equipe bem consistente. Defendendo o gol estava o padre Pietro Macarrone. Os cardeais Paolo Scaracaramboli e Fellipo Tarantela atuavam como zagueiros. O cardeal Andrea Formini e o bispo Mario Luigi atuavam como volantes. O vigário Cabelone Scarrabunzeli e o cardeal Shun Tzu Kyang (O único não ítalo-vaticanês) eram os meio-campistas. Luigi Mario, zelador da Basílica de São Pedro, era o meia-atacante. O cardeal Ferraro Lamborghini e o recepcionista do hotel do Vaticano, cujo apelido era Belleti (O único que usava um apelido) eram os atacantes. Sensini era o centro-avante.

A seleção feminina do Vaticano

A seleção do Vaticano permaneceu invicta durante 17 anos, até a derrota para a poderosa Seleção Monegasca de Futebol por 6 a 4. Em 1994 a seleção do Vaticano passou por uma reforma.

Atualmente[editar]

Desde 2002 que a seleção da Cidade do Vaticano tem permitido que a guarda suíça participe da seleção. A estrela da seleção, Hanz Johann, é um dos guardas suíços que participam da seleção. Em 2009 o papa Bento XVI passou a fazer parte do time como lateral-esquerdo reserva. Apesar da idade, Bento XVI tem mostrado bom fôlego nos treinamentos.

Partidas inesquecíveis[editar]

Em 1972, a seleção do Vaticano goleou a seleção da Caxemira por 11 a 0. Foi uma das maiores goleadas aplicadas pela seleção. A maior goleada aplicada foi um sonoro 22-4 aplicado na seleção de Sealand em 1992. A primeira partida oficial foi contra Mônaco. Uma vitória por 3 a 2. Mônaco foi também a seleção que derrotou a seleção de Vaticano pela primeira vez.

Seleção atual[editar]

Bento XVI comemorando a vitória de sua seleção
  • Goleiro: Alfredo Mighelitto (Cardeal - Número 1)
  • Lateral esquerdo: John Bangale (Cardeal - Número 2)
  • Zagueiro: Bacon Fritz (Guarda - Número 13)
  • Zagueiro: Vincenti Vincentino (Contador do Vaticano - Número 6)
  • Lateral direito: Vito Cabrone (Padre - Número 33)
  • Volante: Honjs Shshfrgwhi (Bispo e capitão da equipe - Número 5)
  • Meia: Tomazo Piparolli (Padre - Número 4)
  • Meia: Hanz Johann (Guarda - Número 8)
  • Meia atacante: Pompeu Ponpiglio (Médico - Número 9)
  • Atacante: Jairo Cabezzo (Padre - Número 11)
  • Centro-avante: Antonio Frederico (Cardeal - Número 10)

Ver também[editar]